Muito se tem falado sobre coaching nos últimos tempos. O termo tem sido tão banalizado que compreender seu significado é uma tarefa das mais difíceis para quem não o conhece bem. E pra piorar, alguns profissionais mal informados – ou mal formados – afirmam que estão fazendo “coaching” (por que é um nome bonito), mas na verdade entregam autoajuda, palestra motivacional, momentos de feedback, gritos de empoderamento, fórmulas de sucesso, e por aí vai. Posso afirmar: isso não é coaching.

Começando do começo

Toda teoria e metodologia tem suas bases, princípios e cosmovisão próprios. Com o coaching não é diferente. Por não ser uma ciência ou uma profissão regulamentada por um conselho, como a dos psicólogos e médicos, cada escola utiliza bases, princípios e cosmovisões específicas, conforme seu próprio entendimento e identificação.

Isso faz com que existam definições diferentes de Coaching no mercado.

Veja algumas delas:

“Coaching é tornar produtivas as forças das pessoas. ” Peter Drucker, administrador e autor

 “Coaching é o processo de facilitar o desempenho, a aprendizagem e o desenvolvimento da pessoa para que alcance os resultados que almeja. ” Rosa Kraus

Independentemente das palavras escolhidas para a definição, o coaching sempre acontece em um ambiente de parceria entre o cliente e o profissional, em que o cliente define o objetivo e o profissional o ajuda a alcançá-lo, favorecendo que perceba e desenvolva suas forças naturais, aprenda novas competências e coloque em prática uma estratégia para alcançar o que deseja.

Coaching: competência ou processo?

Classicamente, o coaching é um processo de tempo determinado, que acontece em encontros – chamadas sessões – entre o cliente e o Coach, e durante esse período, o cliente avança em seus objetivos. Como gostamos de dizer, “o coaching funciona” não porque seja uma pílula mágica de resolução de problemas, mas por ser um conjunto de técnicas utilizadas pelo Coach e novos comportamentos adotados pelo cliente. A partir da reflexão da ação e da nova ação baseada na reflexão, o cliente vai desenvolvendo novas observações e atitudes diante de seus desafios.

Mais recentemente, além do formato processual, o Coaching vem sendo utilizado para designar uma competência, isto é, um CONJUNTO de conhecimentos, habilidades e atitudes típicos (por exemplo, o desenvolvimento de autonomia das pessoas + foco no resultado + não julgamento na comunicação + etc.) para desenvolver pessoas e conquistar resultados. Algumas organizações até utilizam o termo “Cultura de Coaching”, como sinônimo deste conjunto de práticas utilizadas pelos líderes no relacionamento com a equipe e com a organização.

De qualquer forma, seja o Coaching utilizado como competência ou como processo, não incluem orientações ao cliente sobre como fazer as coisas, como é o caso das palestras motivacionais ou outras práticas que tem sido erroneamente nomeadas de Coaching.

Modalidades de Coaching

Além de diferentes definições, existem diferentes modalidades de coaching, como o coaching ontológico, o coaching apreciativo, o coaching comportamental, e muitos outros. O ponto comum entre estas modalidades são as bases humanistas, com pressupostos da centralidade do homem e sua capacidade em realizar praticamente TUDO aquilo que desejar se assim o tiver decidido e trabalhar para o conquistar.

 Dito isso, chegamos ao Coaching Cristão!

O coaching de fato ajuda o cliente a focar no que importa e a trazer resultados surpreendentes para a sua vida. A questão é:

  • O que realmente importa? e
  • Que resultados desejar?

Por causa da liberdade que a abordagem de coaching permite na escolha das bases, ele pode facilmente ser “filtrado” e desenvolvido a partir de uma perspectiva bíblica e cristocêntrica, para os propósitos do Reino.

Para nós, do Instituto de Coaching Cristão, coaching é

“um processo personalizado de desenvolvimento de pessoas, e o que fundamenta e orienta a sua prática são os ensinamentos bíblicos. ”

Todo líder pode assumir a posição de coach cristão e ajudar as pessoas a responderem perguntas importantes como as citadas acima. Pode ajudá-las a compreenderem o que receberam e o que não receberam de Deus, e usar seu “kit pessoal exclusivo” (acesse artigo) para realizarem coisas que honrem a Deus. É isso o que o Coach Cristão faz!

O profissional formado em Coaching Cristão sabe que é um mero canal de Deus e é sensível à Sua voz para usar as ferramentas e técnicas que aprendeu a fim de fortalecer pessoas e ajudá-las a serem cada vez mais a melhor versão de si mesmas, isto é, serem mais parecidas com Jesus e cumprirem Sua vontade.

Não vou me estender mais sobre o que é Coaching Cristão pois já temos um artigo falando só sobre ele.

Artigo “O que é Coaching Cristão?”

Espero que este texto tenha ajudado a desmistificar o que é coaching, especialmente a modalidade cristã. Mas se restou alguma dúvida, é só entrar em contato conosco e será um prazer falar mais sobre isso com você.

Que Deus te abençoe!